Ciência com Consciência


Terapia com Estatinas e Concentrações de Coenzima Q10 no Plasma



INTRODUÇÃO
A coenzima Q10 (CoQ10) é um composto semelhante às vitaminas amplamente distribuído pelo corpo. É um composto essencial no metabolismo energético das mitocôndrias, responsável pela conversão de carboidrato e gordura em ATP, e atua como fonte de energia em várias funções fisiológicas nos organismo, incluindo a contração muscular. Além disso modula a expressão de genes e a reciclagem de formas radicais de vitamina C e E.

No entanto, as estatinas (medicação para controle de colesterol) podem inibir a produção de CoQ10. Nessa meta-análise foi avaliado o impacto da terapia com estatina sobre as concentrações plasmáticas de CoQ10.  

RESULTADOS e DISCUSSÃO
A meta-análise de dados (que integra os resultados de mais de um estudo) de 8 estudos com tratamento controlados por placebo sugeriu uma redução significativa nas concentrações plasmáticas de CoQ10 após o tratamento com estatinas, independente das formulações de estatinas, duração ou dose.

Embora tenha sido observado um maior efeito do tratamento com estatina nas concentrações plasmáticas de CoQ10  nos ensaios com menos de 12 semanas de duração de tratamento, foi observado um efeito significativo também no tratamento com mais de 12 semanas.  Tais achados são importantes para verificar os efeitos negativos decorrentes do tratamento com estatinas. No entanto, os mecanismos associados à depleção de CoQ10 induzida pelas estatinas e sua consequências clínicas não são completamente conhecidos.

Dentre alguns fatores encontrados que são responsáveis pela depleção dos níveis séricos de CoQ10 após a terapia com estatina estão:

  • Insuficiência de CoQ10 dietética
  • Inibição da sua biossíntese
  • Consumo excessivo pelo próprio corpo

E as consequências biológicas da sua depleção podem incluir:

  • Aumento da produção de radicais livres com consecutivo dano no DNA mitocondria
  • Diminuição da capacidade de fosforilação oxidativa mitocondrial levando à disfunção mitocondrial e disfunção ou lesão do músculo esquelético
  • Atividade defeituosa da divisão celular e apoptose com tendência aumentada para malignidade

Com isso, dentre outros fenômenos que resultam em depleção de CoQ10 estão o aumento do estresse oxidativo ou estados inflamatórios, como relatado:

  • Em idosos
  • Treinamento físico intenso
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes mellitus
  • Doença periodontal
  • Depressão
  • Síndrome da fadiga crônica
  • Doença de Parkinson
  • Câncer de mama

Além disso, outra consequencia da depleção de CoQ10 demonstrada em estudos com pacientes com fibromialgia estão:

  • Alteração do conteúdo de serotonina nos neurônios do sistema nervoso central e nas plaquetas
  • Redução de níveis de adenosina trifosfato (ATP) via fosforilação oxidativa nas plaquetas.

Dessa forma, os síntomas no musculo associados à estatina podem ser, também, resultado das modificações nos níveis de serotonina e ATP. E assim, a depleção de CoQ10 induzida pelo tratamento com estatina também é considerada um dos mecanismos responsáveis pelo surgimento de diabetes.

No entanto, esses efeitos negativos relacionados às alterações nos níveis plasmáticos de CoQ10 após a terapia com estatina não alcançaram significância estatística, ou seja, não necesariamente a queda nos níveis de CoQ10 será responsável pelos sintomas daqueles que utilizam estatinas.

LIMITAÇÕES DO ESTUDO
Na época da elaboração dessa revisão, havia poucas pesquisas disponíveis que estavam de acordo com os critérios de seleção que foram estabelecidos., e aqueles incluídos apresentavam populações relativamente pequenas. Além disso, esses pesquisas eram heterogêneos em relação a fatores como características da população e desenho do estudo.

CONCLUSÃO
Esta revisão mostrou uma redução significativa nas concentrações plasmáticas de CoQ10 após o tratamento com estatinas. No entanto, outros estudos bem planejados são necessários para confirmar esses achados e elucidar se essa redução traz relevância clínica.

Não há uma Diretriz Oficial sobre a suplementação de Coenzima Q10 quando se faz uso de estatinas. Muitos utilizam essa suplementação na tentativa de reduzir os efeitos colaterais da medicação, principalmente as dores musculares. Os estudos não conseguem provar que há esse benefício. Caso resolva testar a suplementação, utilize sempre a dosagem mínima.

Importante lembrar que a Coenzima Q10 está presente nos alimentos, mas em uma quantidade inferior ao que encontramos nos suplementos. No entanto essa menor quantidade não "desqualifica" os alimentos, e eles devem ser sempre a nossa principalmente fonte de nutrientes.

As principais fontes são de origem animal e alimentos ricos em gordura. Abaixo alguns exemplos em ordem decrescente:

  • Miúdos (fígado, coração)
  • Carnes
  • Azeite
  • Amendoim
  • Pistache
  • Feijão
  • Atum
  • Brócolis
  • Batata Doce
  • Manteiga
  • Ovo
  • Leite integral
  • Abacate
  • Morango
  • Maçã

Artigo analisado pela estagiária Marina Senhorinho (1º semestre/2018)

Statin therapy and plasma coenzyme Q10 concentrations—A systematic review and meta-analysis of placebo-controlled trials - Pharmacological Research, 2015

 









Clube449


Newsletter

Cadastre-se e receba e-mails com dicas e informações.

 
 

Contatos

(61) 3363-7449
(61) 98535-7449 (whatsapp)
clinica449 (skype)
contato@clinica449.com.br

CLSW 304 Bloco B Sala 103 - Sudoeste Brasília - DF | CEP: 70673-632

Busca

Encontre o que você precisa em todo o nosso site.