Tecla SAP


Uma Abordagem Saudável para o Controle de Peso



Matéria publicada no site www.triathlete.com em Agosto de 2016.

Triathlife: A Healthy Approach To Weight Management
By Jesse Thomas

Aperte o SAP! ;)

Uma Abordagem Saudável para o Controle de Peso

Como eu superei uma obsessão doentia e infeliz e passei a perceber uma forma de desempenho e saúde sustentáveis

Eu costumava forçar o vômito. Geralmente tarde da noite, em um ataque de culpa, vergonha e ansiedade, e sempre depois de uma compulsão enorme por comidas não saudáveis. Como você pode suspeitar, essas não são lembranças agradáveis.

Mas, por algum motivo, não consegui. Vomitar, quero dizer. Eu tentei enfiar meu dedo na garganta, me engasgando, regurgitando sobre um vaso sanitário por uma hora, mas não importa o quanto eu tentasse, nada. Na verdade, eu só vomitei algumas vezes em toda a minha vida - "naturalmente" com uma gripe desagradável.

Depois de todas as vezes que eu falhava, eu fazia a próxima coisa lógica – saia para uma corrida à meia-noite, inchado e extremamente desconfortável, para furiosamente tentar queimar as calorias. Eu ia para a cama sem comer, então eu acordava e corria de novo sem comer. Às vezes, eu esperava até a noite seguinte ou, na pior das hipóteses, na manhã seguinte para comer. Nos momentos mais insanos, eu poderia consumir 2.000 a 4.000 calorias, em seguida ficava 36 horas sem comer e fazia três corridas de 12 a 20km nesse intervalo.

Na época, eu sabia que isso não estava certo, mas eu creditava o estado de compulsão à fraqueza mental ou ao "fracasso", então fazia o melhor para "compensar" isso. Mesmo naquela época, eu me considerava um indivíduo bastante inteligente, buscando uma graduação e mestrado em Engenharia Mecânica em uma das melhores universidades do planeta. Mas, por algum motivo, nunca pensei que eu realmente tivesse um problema.

Em corridas universitárias e em corridas de distâncias variadas, o peso obviamente impacta o desempenho. Minha equipe sabia disso. Enquanto corríamos 160 km por semana no acampamento de pré-temporada de corrida cross country, às vezes brincávamos: "Estou com fome ... vou tirar um cochilo" (quando você acorda, você não está mais com fome e você pode correr novamente!) Eu era um dos mais pesados, se não o cara mais pesado na equipe. Combine isso com uma predisposição à resolução de problemas, e uma personalidade jovem e não controlada, e meu peso naturalmente se tornou uma obsessão doentia.

Olhando para trás agora, em sua forma mais inocente, eu tive períodos de tendências anoréxicas moderadas. Nos piores momentos eu era um bulímico completo. Mesmo que eu tivesse dificuldade em vomitar, os episódios pesados de compulsão/expurgo (a principal definição de bulimia) aconteceram regularmente nos meus primeiros anos em Stanford. Eles geralmente eram em momentos em que eu não estava correndo bem, colocava muita pressão em mim e estava muito ansioso sobre projetos de engenharia prestes a acontecer.

Não é de surpreender que eu tenha passado aqueles primeiros anos de corrida na Universidade, na maior parte das vezes, machucado ou sem sucesso. Eu tive pequenos bons momentos, mas sempre era derrubado pela bulimia. No meu peso mais leve, eu pesava 12 quilos a menos do que quando eu finalmente alcancei os meus melhores resultados, incluindo o meu recorde escolar em Stanford nos 3000m com obstáculos. E agora eu ainda estou cerca de 5 quilos mais pesado do que aqueles dias de corrida rápida, mas é o mais leve que eu já fui como triatleta profissional - e é parcialmente por isso que estou escrevendo este artigo.

Muita coisa mudou desde que eu era um corredor de longa distância de 20 anos. Agora tenho 36 anos, tenho um filho, tenho um negócio, passei sete anos sem ser atleta e acabei encontrando o triatlo profissional. Resumindo, eu cresci muito. Agora vejo claramente o caos que esses hábitos causaram em meu corpo, e tenho confiança e conhecimento para andar no lado certo da linha quando se trata de corrida e do meu peso - uma linha em que ando mais diligentemente do que nunca na minha carreira profissional enquanto me preparo para (espero) um grande Ironman no calor.

O peso tem um papel no desempenho (mas não o papel, como explico abaixo), então eu acho que é falso e irreal dizer: "Oh, eu simplesmente não vou pensar sobre isso. Não importa!” Mas acho que existe uma maneira inteligente, saudável e equilibrada de abordar o controle de peso. Abaixo estão as lições mais importantes e algumas técnicas que usei para me transformar de Jesse, o corredor louco de 20 anos, em Jesse, o triatleta de 36 anos razoavelmente normal.

Sua aptidão deve ser medida pelos resultados de seu treinamento, não pelo seu peso. O maior problema que tive na faculdade foi acreditar que eu não estava em forma até pesar um certo número. Quando eu acordava e estava leve naquele dia, eu estava em forma; se eu estivesse pesado, eu estava fora de forma. Minha confiança em treinos e corridas tinha tudo a ver com o meu peso e não com minhas performances recentes. Isto é, obviamente, ridículo. Você deve se concentrar em bons treinos, seguindo seu plano e monitorando o peso como parte do quadro geral.

Não procure um número na balança, busque hábitos consistentemente saudáveis. É fácil fixar-se num número que o fará sentir-se confiante para correr, mas esse número, na verdade, é irrelevante. Se você comer consistentemente de forma saudável, dormir bem e treinar, seu corpo se ajustará ao peso adequado, e esse é o seu peso ideal para competir.

Ter como objetivo alcançar uma nota 8 na maior parte do ano, e se concentrar para alcançar um 10 em 1 a 2 vezes no ano, por cerca de 8 a 10 semanas. Consistência é a chave, isso impede que você tenha que compensar por loucos altos e baixos e, eu acredito, mantém você menos propenso a ficar doente, lesionado e acabado. Como minha carreira progrediu, mantenho uma dieta saudável a maior parte do tempo. Durante o período fora de temporada, deixei-me deslizar para uma nota 8 e ganhar alguns quilos. Durante a temporada de competição, eu me concentro em uma nota 9 ou 10 por cerca de 8 semanas, e perco esse 1 a 1,5kg extra. No geral, eu vario de 2,5 a 3,5kg (ou cerca de 5% do meu peso corporal) ao longo do ano, menos da metade do que eu costumava variar .

Evite dietas extremas e restrições alimentares rigorosas. Assim como definir metas de treinamento irreais pode fazer com que você imploda, metas de nutrição impossíveis fazem o mesmo. Eu nunca me limito 100% de nada - álcool, açúcar, doces, o que seja. Dessa forma, eu não me sinto culpado por comer um simples biscoito, o que pioraria minha situação ainda mais.

Se você acha que há uma chance de você ter um problema, peça ajuda. Obviamente, eu não sou médico, apenas um atleta com muita experiência, tanto de sucesso quanto de fracasso. Se você acha que tem um problema, este artigo, obviamente, não é um substituto para buscar ajuda profissional. Confira o site da NEDA -Nationaleatingdisorders.org, como um lugar para começar.

Essas lembranças de compulsão/expurgos são honestamente algumas das piores da minha vida. Eles me fizeram sentir culpado, envergonhado, ridiculamente desconfortável e, em geral, completamente fora de controle. Espero que o que aprendi ajude alguns de vocês a construir hábitos de controle de peso saudáveis e evitar alguns dos erros que cometi no início de minha carreira esportiva.

Tradução feita pela Estagiária 449 Tássia Angeline - 1º semestre/2018

Na foto acima o triatleta profissional norte-americano Jesse Thomas, autor desse artigo.

Jesse tem importantes resultados em provas internacionais.

Conheça mais sobre ele nos links abaixo:









Clube449


Newsletter

Cadastre-se e receba e-mails com dicas e informações.

 
 

Contatos

(61) 3363-7449
(61) 98535-7449 (whatsapp)
clinica449 (skype)
contato@clinica449.com.br

CLSW 304 Bloco B Sala 103 - Sudoeste Brasília - DF | CEP: 70673-632

Busca

Encontre o que você precisa em todo o nosso site.