2017 | 9 de junho
> Probioticoterapia na Gestação




Nutricionista Patrícia Martins - Equipe Bem Estar

Uma pergunta recente chegou a mim no consultório e tenho procurado respostas para ela há alguns anos, em função da minha paixão pelos Probióticos, por ser uma mãe de uma criança especial e pela minha atuação profissional na área da Nutrição Materno-Infantil.

Eis a pergunta: Você já ouviu falar em Probioticoterapia na gestação?

Antes de mais nada, é importante dizer que temos mais de 100 trilhões de bactérias no nosso microbioma intestinal e eu não tenho a pretensão aqui de dizer que tipo de Probiótico você precisa ou quanto precisa por dia. Infelizmente, tenho percebido a ansiedade de muitas pessoas em buscar algo pronto e generalistas. Quando pensamos na saúde do nosso intestino, considerado o “segundo cérebro” pela quantidade de terminações nervosas e papel na produção de neurotransmissores e células de barreira para a entrada de alergênicos, nós nutricionistas precisamos ser prudentes em alertar as gestantes que todo cuidado é pouco quando se trata de probióticos. Isso porque a ciência já nos revela caminhos que podemos assegurar na prescrição de probióticos para uma gestante, mas ele é parte de uma assistência à saúde intestinal, sendo necessário o cuidado com a alimentação e suplementação para um estado nutricional adequado para a mãe e o bebê.

Alguns estudam evidenciam que os Probióticos na gestação favorecem uma maior concentração de colônias de espécies dos Lactobacillus e Bifidobactérias, sendo benéfico para o equilíbrio do microbioma intestinal da gestante e saúde intestinal do bebê.

De forma geral, a ciência já tem mostrado uma série de benefícios para o uso de Probióticos na gestação, dentre eles eu destaco:
- Melhora das respostas alérgicas e quadros respiratórios do bebê a partir da presença de bactérias probióticas no útero materno.
- Modulação da resposta à ação da insulina para as mamães e para os bebês. Isso previne ganho de peso excessivo e também riscos na gestação como a Diabetes gestacional e alterações do metabolismo da insulina de bebês. 
- Controle do ph do intestino, resultando num ambiente intestinal propício para o crescimento dos tipos de Lactobacillus e Bifidobacterium em detrimento às bactérias patogênicas.
- Melhoram a resposta do intestino às inflamações e problemas imunológicos que possam surgir na barreira intestinal das gestantes.
- Auxiliam na adequada motilidade (movimentação) do intestino, prevenindo e tratando problemas como a constipação intestinal.

Diante destes benefícios, gostaria de observar o seguinte: Quando a gestante apresenta queixas como alergias alimentares, quadros inflamatórios como diarreia, constipação intestinal recorrentes, infecções urinárias, candidíase, a escolha do tipo de espécie probiótica, quantidade e dosagem por dia deve ser estruturada de forma individualizada por um profissional médico e/ou nutricionista. Isso porque cada situação requer o uso de uma terapêutica de probióticos adequados para tratar e prevenir recorrências de cada queixa. Isso resultará em uma qualidade da gestação e condições de nascimento para o binômio mãe-filho. 

Gostaria de encerrar apresentando um argumento incrível para a Gestante usar probióticos na gestação. Sabe-se atualmente que o bebê nasce com um microbioma estéril às ameaças ambientais e de exposição aos nutrientes potencialmente alergênicos ao seu intestino. Neste sentido, uma gestante que buscou uma terapêutica adequada de probióticos no pré-natal, sustentada por uma alimentação que fortaleça a manutenção do equilíbrio do seu microbioma ofertará mais saúde intestinal para o seu bebê. Isso se dará principalmente por duas vias além da oferta intestinal da mãe via placenta: Parto natural onde o bebê entra em contato físico com o canal vaginal da mãe, repleto de colônias probióticas e pela prática do aleitamento materno, um probiótico natural, 100% gratuito e amoroso entre mãe e filho.

Dúvidas ou sugestões?
Escreva para mim no email: nutricionistapatricia@equipebemestar.com.br.
Até mais!!

>>>>><<<<<<

A Nutri Patrícia Martins atende na 449


---------------------



A falta de apetite na infância – também chamada de anorexia ou inapetência alimentar – pode ter causas diferentes e precisamos investigar cada caso para entender o motivo ou os motivos por trás da criança rejeitar as refeições e os alimentos.

Veja as 2 principais causas que levam a criança deixar de comer.

ORGÂNICAS / FISIOLÓGICAS
- Geralmente entre 1 ano e 2 anos a criança fica com o apetite reduzido devido ao menor ritmo de crescimento comum nessa fase e que associado a maior autonomia para se movimentar e conhecer o mundo ao redor, acaba por refletir no menor interesse pelos alimentos.
- A criança adoecida também tende a ter o apetite reduzido e comer menos, sendo importante não forçar/obrigar a criança a comer (aliás, isso nunca é indicado!).

COMPORTAMENTAL
A causa comportamental engloba muitas características da rotina da criança! Alguns costumes como comer em horários irregulares; “beliscar” entre as refeições, oferecer doces ou “tranqueiras” para a criança comer no lugar da refeição e comer com distrações (como TV, celular, computador ou videogame) acabam por influenciar o apetite da criança e a reduzir a ingestão de alimentos.

>>>>><<<<<<

A ACOLHER atende na 449:
Gestante, Pós-Parto, Bebê, Criança e Adolescente


---------------------



Felipe é coach de Crossfit e trabalha com Liberação Miofascial.
Atende na 449 às Quintas-feiras
(8:00 às 12:00 e 14:00 às 21:00)


----------------------

CLNK449 - Além da Nutrição Esportiva!






Ir para a lista

Clube449


Newsletter

Cadastre-se e receba e-mails com dicas e informações.

 
 

Contatos

(61) 3363-7449
(61) 98535-7449 (whatsapp)
clinica449 (skype)
contato@clinica449.com.br

Centro Clínico Sudoeste
Sala 219 - Brasília/DF

Busca

Encontre o que você precisa em todo o nosso site.